Estado nutricional e percepção alimentar em indivíduos institucionalizados com seqüelas de hanseníase

Autores

  • Ana Cláudia Fiche de Campos Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Vale do Rio Verde (Unincor), Nutricionista da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais- CSSI / Fhemig.
  • Regina Coeli Cançado Peixoto Pires Doutora em Epidemiologia pela Universidade Federal de MInas Gerais (UFMG), Docente da Universidade Vale do Rio Verde (Unincor) e Universidade de Itaúna.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2011.v36.36210

Palavras-chave:

hanseníase, seqüelas, alimentação, estado nutricional

Resumo

OBJETIVO: Conhecer o estado nutricional e percepção alimentar dos moradores com seqüelas de hanseníase. MÉTODOS: Estudo transversal, descritivo e analítico A população avaliada constou de 40 ex hansenianos institucionalizados. Para classificação do estado nutricional utilizou-se o Índice de Massa Corporal para adulto segundo OMS, 1995 e 1997 e para avaliação do consumo alimentar (calorias e proteínas) o registro alimentar de dois dias. Para percepção alimentar foi aplicado um questionário com 15 moradores que mantinham contato produtivo. Utilizou-se o software SPSS for Windows® versão 17.0. RESULTADOS: Três (7,5%) moradores apresentaram diagnóstico nutricional de magreza grau I; 4 (10%) grau II; 2 (5%) grau III; 23 (57,5%) de eutrofia; 6 (15%) de pré obesidade e 2 (5%) com diagnóstico nutricional de obesidade grau I. A soma dos moradores (25) com adequação calórica acima de 110% e abaixo de 90% foi superior ao número de moradores (15) com adequação calórica de 90 a 110%.O percentual médio de adequação protéica foi 131,2% . Com relação à percepção alimentar observou-se que 4(26,7%) têm percepção que não alimentam bem; 13(86,7%) que a alimentação é suficiente; 8(53,3%) gostam da alimentação oferecida na instituição; 9 (60%) alimentam exclusivamente das refeições oferecidas pela instituição; 9(60%) não gostam de mastigar os alimentos; 6(40,0%) gostam de ficar sozinhos durante as refeições. Os resultados mostraram uma situação preocupante, de risco nutricional. CONCLUSÕES: A associação entre as percepções merece ser valorizada pela equipe de saúde e responsáveis pela alimentação, que poderia gerar maior aceitação ao alimento oferecido. Torna-se imprescindível uma assistência voltada para minimizar as marcas, o sofrimento e a rejeição deixada pelo estigma social associado à hanseníase.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 Abreu, Wilson César et Al. Inadequação no consumo alimentar e fatores interferentes na ingestão energética de idosos matriculados no programa municipal da terceira idade de Viçosa (MG). Revista Baiana de Saúde Pública. 2008; 32(2): 190-202.
2 Bassoli, Sidinéia Raquel Bazalia et al. Identificação dos diagnósticos de enfermagem mais freqüente em pacientes afetados pela hanseníase. Hansenologia Internatinalis. 2007; 32 (2): 175-184.
3 Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde. Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária. Controle de hanseníase: uma proposta de integração ensino – serviço, Rio de janeiro, 1989.
4 Canicoba, M. Evalución Del estado nutricional de pacientes em um hospital com lepra em Argentina. Nutr. Hosp. 2007; 22(3): 377-81.
5 Goffman E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro. LTC, 1988.
6 Kazapi, IM, Di Pietro PF, Avancini SRP, Tramonte VLCG. Consumo de energia e macronutrientes por adolescentes de escolas públicas e privadas. Rev.Nutr.2001; 14(1): 27-33.
7 Mattos DM, Fornazari SK. A lepra no Brasil: representações e práticas de poder. Cadernos de ética e Filosofia Política. 2005; 6(1): 45-57.
8 MORHAN – Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase/ Núcleo Betim, Colônia Santa Izabel do estigma à socialização. Betim (MG): MORHAN; 2006.
9 OH,Se-Young et al. Dietary habits, food intake and functional outcomes in those with a history of hansen’s disease in Korea. International Journal of Leprosy.1998; 66(1):.34-42.
10 Oliveira Ramon José et al. A via sacra da história de Veganin. Revista Bras Enfermagem. 2008; 61: 676-81.
11 Rauen MS, Moreira EAM, Calvo MCM, Lobo AS. Avaliação nutricional de idosos institucionalizados. Rev.Nutr.2008; 21(3): 303-10.
12 Rouquayrol MZ, Almeida N. Epidemiologia e Saúde. Rio de Janeiro: Medsi, 2003.p 708.
13 Santelle Odete et al. Alimentação institucionalizada e suas representações sociais entre moradores de instituições de longa permanência para idosos em São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2007; 23 (12): 3061-65.
14 Silva, Regina Célia Pinheiro et al .História de vida e trabalho de pessoas atingidas pela hanseníase em Serviços de Saúde do Estado do Estado de São Paulo. Hansenologia Internatinalis. 2008; 33(1): 9-18.
15 Tavares EL, Anjos LA. Perfil antropométrico da população idosa brasileira. Resultados da Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição. Cad. Saúde Pública. 1999; 15(4): 759-768.

Downloads

Publicado

30-11-2011

Como Citar

1.
Campos ACF de, Pires RCCP. Estado nutricional e percepção alimentar em indivíduos institucionalizados com seqüelas de hanseníase. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2011 [citado 12º de abril de 2024];36(2):43-51. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36210

Edição

Seção

Artigos originais