Hanseníase: implicações na sexualidade do portador

Autores

  • Tatiana Maria Melo Guimarães dos Santos Enfermeira da Fundação Municipal de Saúde de Teresina-PI. Mestre em Enfermagem na Universidade Federal do Piauí-UFPI. Professora da Graduação em Enfermagem da Faculdade Santo Agostinho.
  • Cléber Lopes Campelo Enfermeiro. Pós-graduando em Saúde da Família.
  • Ilmara Airam da Costa Enfermeira graduada pela Faculdade Santo Agostinho.
  • Silvana Santiago da Rocha Doutora em Enfermagem, Professora da Graduação e do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Piauí- UFPI. Coordenadora do Curso de Enfermagem da Faculdade Santo Agostinho.
  • Laurimary Caminha Veloso Enfermeira da Fundação Municipal de Saúde de Teresina-PI. Mestre em Enfermagem na UFPI. Professora da Graduação em Enfermagem da Faculdade Santo Agostinho.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2010.v35.36222

Palavras-chave:

hanseníase, sexualidade, enfermagem

Resumo

Os estudos relacionados à hanseníase pouco abordam a questão humana, os sentimentos ou as experiências vivenciadas nessa trajetória, portanto esse trabalho tem como objetivos descrever as implicações na sexualidade do portador de hanseníase e analisar os aspectos que envolvem a sexualidade do portador. Trata-se de um estudo descritivo com abordagem qualitativa desenvolvido no Centro Maria Imaculada, que presta assistência aos portadores de hanseníase na prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação, em Teresina-PI. Para a produção dos dados utilizou-se como instrumento um roteiro de entrevista semi-estruturada, os dados foram analisados de acordo com a Análise de Conteúdo de Minayo. As análises dos relatos culminaram no surgimento de quatro categorias: mudanças na atividade sexual após o diagnóstico de hanseníase; medo da transmissão da doença pelo contato sexual; sentimento de inferioridade e mudanças no cotidiano familiar. Verificou-se a dimensão do sofrimento causado pela doença no grupo de pessoas entrevistadas e as mudanças acarretadas em sua vida sexual ocasionados pela doença, impedindo que seus portadores vivenciem uma vida sexual ativa, sejam por problemas de ordem orgânica e/ou psicológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia para Controle da Hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.
2 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção á saúde. Departamento de atenção básica. Vigilância em Saúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase, Malária, Tracoma e tuberculose. 2ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.
3 Oliveira VM. Repercussões da hanseníase no cotidiano de pessoas de seus familiares [monografia]. Sobral:Universidade Estadual Vale do Acaraú; 2004.
4 Souza MM, Silva GB, Henriques MERM. Significado de ser idoso/doente de hanseníase. Revista Eletrônica de Enfermagem 2005; 7(3): 328-33.
5 Borenstein MS, Padilha MI, Costa E, Gregório VRP, Koerich AME, Ribas DL. Hanseníase: estigma e preconceito vivenciados por pacientes institucionalizados em Santa Catarina (1940-1960). Rev Bras Enferm, Brasília 2008; 61(esp): 708-12.
6 Martins BDL, Torres FN, Oliveira MLW. Impacto na qualidade de vida em pacientes com hanseníase: correlação do Dermatology Life Quality Index com diversas variáveis relacionadas à doença. An Bras Dermatol 2008; 83(1): 39-43.
7 Oliveira TC, Carvalho LP, Silva MA. O enfermeiro na atenção à saúde sexual e reprodutiva dos adolescentes. Rev Bras Enferm 2008; 61(3): 306-11.
8 Almeida NAM, Silva LA, Araújo, NA. Conhecimento de acadêmicas de enfermagem sobre disfunções sexuais femininas. Revista Eletrônica de Enfermagem 2005; 7(2): 138-47.
9 Carvalho GHC et al. As pessoas atingidas pela hanseníase e a sua sexualidade. Hansen Int 2007; 32(esp).
10 Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Ministério da Saúde. Resolução 196 de 16/10/1996. Dispõe sobre a aprovação das diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 1996.
11 Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11ed. São Paulo: Hucitec; 2008.
12 Oliveira MHP, Gomes R, Oliveira CM. Hanseníase e sexualidade: convivendo com a diferença. Rev.latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto 1999; 7(1): 85-91.
13 Arruda HO. Alterações Testiculares na Hanseníase. [Tese Doutorado]. São Paulo: Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo; 1988.
14 Leal AMO. Alterações endócrinas na hanseníase. Medicina, Ribeirão Preto 1997; 30: 340-44.
15 Ferreira ALCG, Souza AI, Amorim MMR. Prevalência das disfunções sexuais femininas em clínica de planejamento familiar de um hospital escola no Recife, Pernambuco. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife 2007; 7(2): 143-50.
16 Eidt LM. O mundo da vida do ser hanseniano: sentimentos e vivências [dissertação de mestrado]. Porto Alegre: Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; 2000.
17 Pinto Neto, JM. A percepção dos comunicantes intradomiciliares de doentes de hanseníase sobre a doença, o convívio e o controle realizado pelo serviço de saúde [Tese de doutorado]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo; 2005.
18 Baialardi KS. O estigma da hanseníase: relato de experiência em grupo com pessoas portadoras. Hansen Int 2007; 32(1): 27-36.
19 Ponte KMA, Ximenes Neto FRG. Hanseníase: a realidade para o ser adolescente. Rev Bras Enferm 2005; 58(3): 296-301.
20 Minuzzo DA. O Homem paciente de hanseníase (lepra): representação social, rede social familiar, experiência e imagem corporal [dissertação de mestrado]. Rio de Janeiro: Universidade de Évora; 2008.

Downloads

Publicado

30-11-2010

Como Citar

1.
Santos TMMG dos, Campelo CL, Costa IA da, Rocha SS da, Veloso LC. Hanseníase: implicações na sexualidade do portador. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2010 [citado 28º de fevereiro de 2024];35(2):27-32. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36222

Edição

Seção

Artigos originais