Perfil do doente de hanseníase no estado da Paraíba

Autores

  • Clélia Albino Simpson Profª Drª do Programa de Graduação e de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).
  • Leila de Cássia Tavares da Fonsêca Mestre em Enfermagem em Saúde Pública pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
  • Vivianne Rafaelle Correia dos Santos Enfermeira da Secretaria de Estado da Saúde Pública do Rio Grande do Norte; Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UFRN.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2010.v35.36223

Palavras-chave:

hanseníase, enfermagem

Resumo

Esse estudo tem como objetivo traçar o perfil do doente de hanseníase no Estado da Paraíba. É resultado de um estudo epidemiológico do tipo observacional, transversal e de base individual, utilizando-se o método quantitativo. Dos 223 municípios da Paraíba, escolhemos como critério de inclusão os com maior incidência de hanseníase. Foi utilizada uma amostra de 6,7%. As variáveis escolhidas foram mesmas utilizadas na ficha de notificação do SINAN. Para a coleta de dados foi feito um instrumento com questões fechadas e respostas pré-condicionadas. Os dados foram processados utilizando-se o Programa Statistical Package for Social Science. Esse perfil mostra que: as mulheres adoecem mais de hanseníase do que os homens; há uma predominância de não - alfabetizados, com quase 50% das fichas analisadas; mais de 50% da população situa-se na faixa etária 25-60 anos; há uma predominância de casos raça/cor ignorados, ou seja, o serviço não está dando a devida atenção a esse dado; não há diferença significativa entre paucibacilar e multibacilar, porém a forma paucibacilar apresenta um maior número de casos; não há divergências significativas em relação às formas clínicas, no entanto a hanseníase tuberculóide apresenta uma incidência maior; os dados revelam que não há representatividade no Estado quanto ao número de lesões, porque há dois sistemas de informação; 41,4% dos casos apresentam resultados negativos para baciloscopia; em Campina Grande, João Pessoa e Cajazeiras a incidência é maior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 LANA, F.C.F. Hanseníase em menores de 15 anos no Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais, Brasil. Rev Bras Enferm, Brasília, v. 60, n. 6, p. 696-700, nov./dez. 2007.
2 MOREIRA, M.V.; WALDMAN, E.A.; MARTINS, C.L. Hanseníase no Estado do Espírito Santo, Brasil: uma endemia em ascensão? Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 7, p. 1619-1630, jul, 2008.
3 BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Hanseníase. In: Guia de vigilância epidemiológica / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – 6. ed. – Brasília :Ministério da Saúde, 2005. p. 364. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos).
4 SILVA, G.M.; PATROCINIO, L.G.; GOULART, I.M.B. Avaliação Otorrinolaringológica na Hanseníase Protocolo de um Centro de Referência. Arq. Int. Otorrinolaringol, São Paulo, v.12, n.1, p. 77-81, 2008.
5 VIEIRA, C.S.C.A.; SOARES, M.T.; RIBEIRO, C.T.S.X.; SILVA, L.F.G. Avaliação e controle de contatos faltosos de doentes com Hanseníase. Rev Bras Enferm, Brasília v. 61. n. esp., p. 682-688. 2008.
6 OMS, Organização Mundial da Saúde. Estratégia Global para aliviar a carga da hanseníase e manter as atividades de controle da hanseníase, Plano: 2006-2010, Geneva, 2005.
7 BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Plano Nacional de Eliminação da Hanseníase. IV Carta de Eliminação da Hanseníase, Paraíba – 2005. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/paraiba4.pdf>. Acesso em: 13 jan. 2010.
8 LAKATOS, E.M.; MARCONI, M.A. Fundamentos da Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2006. 315p.
9 QUEIROZ, M.S.; PUNTEL, M.A. A endemia hansênica: uma perspectiva multidisciplinar. 20. ed. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1997.
10 BRASIL. % Alfabetização por Sexo Segundo Alfabetização Período 2000. DATASUS. Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?ibge/cnv/alfpb.def.> Acesso em: 16 dez. 2003.
11 MORENO, C.M.C.; ENDERS, B.C.; SIMPSON, C.A. Avaliação das capacitações de Hanseníase: opinião de médicos e enfermeiros das equipes de saúde da família. Rev Bras Enferm, Brasília, vol. 61, n. esp., p. 671-675. 2008.

Downloads

Publicado

30-11-2010

Como Citar

1.
Simpson CA, Fonsêca L de CT da, Santos VRC dos. Perfil do doente de hanseníase no estado da Paraíba. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2010 [citado 23º de maio de 2024];35(2):33-40. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36223

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)