Hanseníase dimorfa reativada: recidiva ou tratamento insuficiente em paciente imunologicamente suscetível?

Autores

  • Jaison Antonio Barreto Diretor do Serviço de Epidemiologia do Instituto Lauro de Souza Lima.
  • Flávio Goya Instituto Lauro de Souza Lima
  • Rubem Mateus C Miranda Instituto Lauro de Souza Lima

Palavras-chave:

hanseníase dimorfa, recidiva, tratamento, reação de Mitsuda

Resumo

Um homem de 31 anos de idade procurou o serviço de saúde especializado devido a alterações de sensibilidade em braço esquerdo. O exame clínico deu suporte a esta queixa. Os esfregaços obtidos a partir da linfa colhida nesta área não desmontraram bacilos álcool-ácido resistentes (BAAR). A reação de Mitsuda foi negativa e uma biópsia do local não mostrou bacilos ou reação infl amatória. Mesmo assim optou-se pelo diagnóstico de hanseníase indeterminada, e foi instituída a poliquimioterapia para paucibacilar. Nove anos após, o paciente retorna apresentando várias lesões de padrão dimorfo, com quadro histopatológico característico e baciloscopia do esfregaço e da biópsia positiva. Os autores consideram que este indivíduo já era um multibacilar por ocasião do primeiro diagnóstico em 1997 e o tratamento insufi ciente não conseguiu destruir todos os bacilos. Nesta situação, os bacilos remanescentes poderiam ter proliferado lenta e progressivamente, reproduzindo o longo período de incubação próprio dos indivíduos Mitsuda negativos. Discutem- se as limitações do diagnóstico exclusivamente clínico e baseado no número de lesões específicas.

Referências

1. Opromolla DVA. As “5 lesões” e outras questões. Editorial. Hansen Int 1997; 22(2):1-2.
2. Souza Lima L & Alayon FL. Sobre a signifi cação patológica das lesões incaracterísticas (maculares simples). Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais: São Paulo, 1941, 303p.
3. Ministério da Saúde (BR). Hanseníase atividades de controle e manual de procedimentos. Brasília, 2001.
4. Noordeen SK. The epidemiology of leprosy. IN: Hastings RC ed. Leprosy. Edinburg: Churchill Livingstone, 1994, p. 29-45.
5. Ridley DS. Skin biopsy in leprosy. Ciba-Geigy: Suiça, 1987.
6. Las Aguas T. Recaídas em hanseníase: experiência pessoal. Hansen Int 1997; 22(2):5-9.
7. Waters M. Is it safe to shorten multidrugtherapy for lepromatous (LL and BL) leprosy to 12 months? Leprosy Review 1998; 69(2):110-1.
8. Opromolla DVA. Ação terapêutica das drogas anti-hansênicas e evidências de persistência microbiana nos casos paucibacilares. Editorial. Hansen Int 2004; 29(1):1-3.
9. Mims CA. The pathogenesis of infectious diseases, 2nd ed. London: Academic Press, 1982.
10. Fleury, RN, Barreto JA, Bispo MD, Nakandakari S, Martelli ACC. Hanseníase: episódio reacional tuberculóide desencadeado precocemente após instalação de poliquimioterapia, em indivíduo inicialmente diagnosticado como multibacilar. Hansen Int 2005; 30(2):195-200.

Downloads

Publicado

30-11-2006

Como Citar

1.
Barreto JA, Goya F, Miranda RMC. Hanseníase dimorfa reativada: recidiva ou tratamento insuficiente em paciente imunologicamente suscetível?. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2006 [citado 28º de setembro de 2022];31(2):35-8. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36360

Edição

Seção

Seção anátomo-clínica

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>