Panarterites cutâneas como manifestações tardias do eritema nodoso hansênico

Autores

  • Raul Negrão Fleury Médico Anátomo-patologista do Instituto Lauro de Souza Lima, da Secretaria de Estado da Saúde/SP-Bauru
  • Somei Ura Médico dermatologista e pesquisador científico IV do Instituto Lauro de Souza Lima, da Secretaria de Estado da Saúde/SP-Bauru
  • Mirela Bernardino Borges Médica residente (R2) em dermatologia, no Instituto Lauro de Souza Lima, da Secretaria de Estado da Saúde/SP-Bauru
  • Cássio César Ghidella Médico dermatologista do Serviço Público de Saúde de Rondonópolis/MT
  • Diltor Vladimir Araújo Opromolla Médico dermatologista, diretor da Divisão de Pesquisa e Ensino do Instituto Lauro de Souza Lima, da Secretaria de Estado de Saúde/Bauru - SP

Palavras-chave:

Hanseníase, Eritema nodoso hansênico, Periarterite nodosa cutânea, Vasculite

Resumo

Os autores estudaram 11 casos de hanseníase multibacilar (9 virchovianos polares e 2 dimorfosvirchovianos), que apresentaram eritema nodoso
hansênico, tardiamente na evolução da hanseníase(apenas 1 paciente ainda estava em tratamento específico). As manifestações sistêmicas desses casos eram de leve intensidade e as lesões cutâneas em pequeno número , localizadas em membros inferiores. Histologicamente apresentavam arterites exsudativas e necrosantes, em estádios evolutivos variados, localizados no derma profundo, com discreta reação inflamatória do derma e tecido celular subcutâneo adjacente. Evidências do comprometimento prévio da hanseníase eram discretos ou ausentes, mas em sete pacientes, foram detectados BAAR na parede dos vasos comprometidos.. A opinião dosautores é que a patogenese dessas manifestações é a mesma que a do eritema nodoso hansênico, que ocorre durante a atividade da doença, devido a persistência dos antígenos micobacterianos na parede muscular dos vasos dérmicos, mesmo após sua eliminação em outras áreas cutâneas. A eventual exposição desses antígenos, estimularia a formação de complexos imunes e reação inflamatória aguda. Do ponto de vista histológico e mesmo clínico, essas manifestações são muito semelhantes a Periarterite nodosa cutânea. Os autores discutem a possibilidade de que mecanismos patogênicos semelhantes estejam envolvidos na arterite do eritema nodoso tardio e na periarterite nodosa cutânea.

Referências

1. BORRIE, P. Cutaneous polyarteritis nodosa. Br. J.Dermatol v.87: 87-95, 1972.
3. DIAS PERES, J. L. & WINKELMANN, R. K. Cutaneous panarterites nodosa. Arch. DermatoL v. 110: 407-414, 1974.
4. HARBOE, M. Overview of host-parasite reactions. In: Hast ings, R. C. , ed. Leprosy. London: Chur chi l l Livingstone, 1994, p.164.
5. HARTER (p. et Trinh-Kin-Mong-Don). Formes escarrotiques d"Erythema nodosum leprosum et leurs relations avec le phenomene de Lucio. Bull. Soc. Path. exot. v.55, n2.6, p, 993-1024, 1962.
6. HARTER, P. L"Erythema nodosum leprosum de Murata. Revue de la litterature. Étude de 185 cas. Bull. Soc. Path. exotic. v.58, no. 3, p. 335-400, 1965.
7. JOB,C. K. Pathology of leprosy. In: Hasting, R. C., ed. Leprosy. London: Churchill Livingstone, 1994. p.205-206.
8. JOB, C.K., GUDE ,S., MACADEN, M. B. Erythema nodosum leprosum. A clinical-pathologic study. Int. J. Leprosy, v. 32, nº. 2, p. 177-183, 1964.
9. JOPLING, W. H. Leprosy reactions (reactional states). In: ________ Hanbook of leprosy. Heinemann Medical, 1971. p.42. 2. MALABAY, M. C. , HELWIG,E. B.,TOLENTINO, J. G., BINFORD, C. H. The histopathology and histochemistry of erythema nodosum leprosum. Int. J. Leprosy, v. 33, p. 28- 49, 1965.
10. NOGUEIRA, M. S. E., FLEURY, R. N., ARRUDA, M. S. P Eritema nodoso hansênico: análise comparativa do quadro h i s t o p a t o l ó g i c o p e l a s t é c n i c a s d e r o t i n a e imunofluorescência. Hansen. Int., v.20, no.1, p. 5-10, 1995.
11. OPROMOLLA, D.V.A. Hanseniase IN: Meira, D.A. Clínica de doenças tropicais e infecciosas. Rio de Janeiro: Interlivros, 1991. p227-250.
12. PERNAMBUCO, J. A.C.; FLEURY, R. N.; ARONE, S. E.; MELLO, C. R. Poliarterite nodosa cutânea . Revista Bras. Reumat. v. 24, p. 219-222, 1984.
13. PFALTZGRAFF, R. E.& RAMU, G. Clinical leprosy. In: Hastings, R. C., ed. London: Churchill Livingstone, 1994. p.275-278,
14. RIDLEY, D. S. Reactions in leprosy. Leprosy Rev., v. 40, 7781, 1969.
15. RIDLEY, D. S. Skin biopsy in leprosy. Swintzerland: Ciba-Geigy, 1977.
16. RIDLEY, M. J. & RIDLEY, D. S. The immunopathology of erythema nodosum leprosum, the role of extravascular complexes. Leprosy Rev., v. 54, p. 95-107, 1983.
17. RYAN, T.J. Cutaneous vasculitis. In: Rook, Wilkinson, Ebling. Textbook of Dermatology. Oxford: Blackwell Scientific Publications, 1992, 1943-1945.
18. SOUZA CAMPOS. M. & RATH DE SOUZA, P. Reactional states in leprosy. Int. J. Leprosy, v. 22, nó 3, p. 259-272, 1954.
19. WADE, H. W. The nature of erythema nodosum type of reaction lesions in lepromatous leprosy with special referance to effects of repeated reactions . In: Congreso Internacional de Leprologia, 72, Madrid, 1953. Memoria Madrid, 1953, p. 752-759.
20. WATERS, M.F.R., RIDLEY, D.S. Necrotizing reactions in lepromatous leprosy. Int. J. Leprosy, v.31, p. 418-436,1963
21. WEMANBU, S. N. C., JURK, J. L.,WATERS, M. F. R., REES. R. J. W. Erythema nodosum leprosum: clinical manifestation of the phenomenon. Lancet, v. 2, p. 933-935, 1969.

Publicado

30-11-1999

Como Citar

1.
Fleury RN, Ura S, Borges MB, Ghidella CC, Opromolla DVA. Panarterites cutâneas como manifestações tardias do eritema nodoso hansênico. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 1999 [citado 7º de dezembro de 2022];24(2):103-8. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36423

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >>