Micose fungóide sucedendo a hanseniase dimorfa de longa duração com múltiplos episódios de reação tipo 1

Autores

  • Raul Negrão Fleury Medico anátomo-patologista do Instituto Lauro de Souza Lima
  • Diltor Vladimir Araújo Opromolla Médico dermatologista e Diretor da Divisão de Pesquisa e Ensino da Divisão de Pesquisa e Ensino do Instituto Lauro de Souza Lima
  • Paulo Rogerio Taborda Médico dermatologista do Instituto Lauro de Souza Lima
  • Maria Teresa Castelo Branco Ramos Nakandakari Médica dermatologista do Instituto Lauro de Souza Lima
  • Cleverson Teixeira Soares Médico anatomo-patologista do Hospital de Base de Base de Bauru
  • Andrea de Campos Bonfim Médica residente do Instituto Lauro de Souza Lima

Palavras-chave:

Hanseniase, Reações tipo 1, Micose fungóide

Resumo

Um homem, atualmente com 86 anos de idade, há 20 anos atrás é internado no Instituto Lauro de Souza Lima (ILSL) com hanseniase multibacilar e várias sequelas da doença na face. Uma biópsia caracterizou hanseniase virchoviana sub-polar. Dois meses após o início do tratamento  especifico houve episódio de reação tipo 1 com neurites e comprovação histopatológica de reação granulomatosa tuberculóide em pele e nervos. Um novo episódio de reação tipo 1 se acompanhou de laringite severa com obstrução respiratória alta e uma traqueostomia foi necessária. Houve repetição destas reações até alta definitiva (7 anos atrás) após emprego de vários esquemas terapêuticos. Logo após a alta passou a desenvolver quadro cutâneo com múltiplas máculas descamativas que evoluiram para placas bem delimitadas e de bordos infiltrados. Em 1997 biópsias cutâneas definiram o diagnóstico de Micose fungóide. Discute-se: 1) A pato gênese da evolução conturbada da hanseniase, principalmente em re/ação aos múltiplos episódios de reação reversa e  comprometimento laringeo. 2) Eventuais relações entre hanseniase multibacilar e Micose fungóide. 3) Dificuldades encontradas no diagnóstico de Micose fungóide no presente caso.

 

Referências

1. CALUX, M.F.J. Contribuição ao estudo do Eritema necrosante (Fenômeno de Lúcio) na hansenfase. São Paulo, 1989. Tese (Doutor) Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina.
2. CONVIT, J., PINARD, M.E., ARIAS ROJAS, F. Some considerations regarding the immunology of leprosy. Int. J. Leprosy, v.39, p.556-564, 1971.
3. FLEURY, R. N. Manifestações sistêmicas. In: TALHARI, S., NEVES, R.G. Hansenfase. 2 ed. Manaus:ESEA, 1989. p.73-77.
4. FLEURY, RN, BASTAZINI, I. Reação hansênica com lesões viscerais. Hansen Int., v.3, p.87-93, 1978.
5. FLEURY, R. N., TONELLO, C., URA, S, ZORZETO, V. Hanseníase dimorfa com surtos de reação hansênica e lesões viscerais. Hansen. Int., v.4, p.116-25, 1979.
6. FLEURY, R.N. ZORZETO, V. TONELLO, C.S., PERNAMBUCO, J.C.A. Surto de pseudo-exacerbação em paciente dimorfo com vasculites granulomatosas especificas disseminadas. Hansen. Int.. v.5, p.44-52, 1980.
7. FLEURY, R.N., OPROMOLLA, D.V.A., TONELLO, C.J.S. Meningoencefalite por Criptococcus Neoformans como complicação de Insuficiência vascular arteriosclerótica em hanseníase virchoviana. Hansen Int., v.6, p.146-153, 1981.
8. FLEURY, RN., OPROMOLLA, D.V.A. Hanseníase virchoviana, Fenômeno de Lúcio, Criptococose.. Hansen Int., v.13, p.47-55, 1988.
9. FLEURY, R.N., OPROMOLLA, D.V.A. Septicemia com múltiplas lesões ósseas supurativas como complicação do eritema nodoso hansênico. Hansen. Int., v.15, p.76-86, 1990.
10. FLEURY, RN., OPROMOLLA D.V.A. Hansenfase dimorfa com padrões diversos de reação granulomatosa em pele e vísceras. Hansen. Int., v.20, p.49-54. 1995.
11. FLEURY, R.N., URA, S., OPROMOLLA, D.V.A. Fenômeno de Lúcio (Eritema necrosante) Hansen. Int., v.20, p.60-65, 1995.
12. GROSSMAN, D., RAPINI, RONALD P., OSBORNE, B., DUVIC, M. Emergence of leprosy in a patient with mycosis fungoides. J. Amer. Acad. Derm., v.30, n.2, pt.2, p.313-315, February, 1994.
13. HARBOE, M. Overview of host-parasite relations. In: HASTINGS, R.C. Leprosy. 2 ed. New York: Churchill Livingstone, 1993. p.87-111.
14. JOPLING, W.H. Leprosy reactions (reational states). In: _______ . Handbook of leprosy. 2 ed. London: William Heinemann Medical Books, 1978. p.66-74.
15. KAUR GILL, H., GODAL, T. Deficiency of cell immunity in leprosy. Prog. Allergy, v.37, p.377-390, 1986.
16. MOHAMED, K. N. Dermatological disoreders resembling leprosy. Singapore Med. J. v. 30, p. 265-269, 1989.
17. OPROMOLLA, D.V.A., FLEURY, R.N. Síndrome da Sulfona e reação reversa. Hansen Int., v.19, n.2, p.70-76, 1994.
18. RIDLEY, D.S. Classificacion y espectro. In: - la biopsia de piel em la lepra. 2 ed. Basilea:Ciba-Geisy, 1987. p.41-51.
19. SOUZA LIMA, L. The "Pseudoexacerbation" reactional state of leprosy. Int. J. Leprosy, v.23: 425-434, 1955.
20. TRIFILIO, M.O., BELONE, A.F.F., FLEURY, R.N. Avaliação baciloscópica na hanseníase virchoviana. ( Estudo de 60 necrópsias ) Hansen. Int., v.22, n.2, p.10-19, 1997.
21. TUYP, E., BURGONE, A., AITICHISON, T, MAC KEE, R A case control study of possible causative factors in Mycosis fungoids. Arch. Derm., v.123: 196-200, 1987.

Downloads

Publicado

30-11-1999

Como Citar

1.
Fleury RN, Opromolla DVA, Taborda PR, Nakandakari MTCBR, Soares CT, Bonfim A de C. Micose fungóide sucedendo a hanseniase dimorfa de longa duração com múltiplos episódios de reação tipo 1. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 1999 [citado 28º de setembro de 2022];24(2):137-43. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36427

Edição

Seção

Estudos de casos clínicos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >>