A hanseníase como doença de baixa prevalência

Autores

  • Marcos Virmond PqC IV. Divisão de Pesquisa e Ensino. Instituto Lauro de Souza Lima. Bauru -SP

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.1995.v20.36486

Palavras-chave:

baixa-prevalência, Prevenção de Incapacidades, Programas de controle

Resumo

Devido os rápidos avanços no controle da hanseníase obtidos pela introdução da PQT e as positivas modificações que ocorreram nos serviços de saúde, a hanseníase encontra-se em franco declínio de prevalência, permitindo que se tome, nos países endêmicos, uma doença de baixa prevalência no próximos 10 anos. Nesta fase, os elementos de um programa de controle deverão ser modificados ou ter sua prioridade revista. A manutenção de serviços de diagnostico e tratamento, a supervisão, e um atento sistema de vigilância epidemiológica serão fundamentais. Importante o apoio aos Centros de Referência para que se mantenham como reserva de conhecimentos e atuem no desenvolvimento de pesquisas ainda necessárias. A prevenção de incapacidades e a reabilitação assumem papel preponderante, uma vez que nesta fase a hanseníase devera voltar a ser considerada como doença de potencial incapacitante, haverá maior disponibilidade de recursos humanos e materiais para atender uma demanda importante e que não pode ser ignorada. Discute-se também, baseados em dados da literatura, uma estimativa para a magnitude do problema e sugere-se a introdução de novos indicadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1- BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia de Controle da Hansenfase. Brasilia, 1994.
2- YUASA, Y. MDT for all; Target Oriented Leprosy Control Program in the 1990s. (Editorial) Int.J.Lepr.v.59,n.4, 1991
3- WORLD HEALTH ORGANIZATION. A Guide to Eliminating Leprosy as a Public Health Problem. Geveva, 1995.
4- LECHAT, M.F. VELLUT,C. MISSON,C.B. and MISSON,J.Y. Application of an Economic Model to the Study of Lepropsy Control Costs. Int.J. Lepr, v.46, n.1, 1978
5- PONNIGHAUS,J.M. FINE,P.E.M. MAINE,N. BLISS,L. KALAMBO,M and PONNIGHAUS,I. The LEPRA Evaluation Project (LEP), an epidemiological study of
leprosy in northen Malawi.II: Prevalence rates. Lerp. Rev. v.59.n.1, 1988.
6- WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global Strategy for the Elimination of Leprosy as a Public Health Problem. WHO/CTF/LEP/94.2
7- WORLD HEALTH ORGANIZATION.Prevention of disabilities in patients with leprosy. A practical Guide. WHO, Geneve, 1993.
8 - WATSON,J.M. Prevenção de Incapacidades em Pacientes com Hanseniase. segunda edição. CERPHA, Rio de Janeiro, 1989.
9 - V I R M O N D . M ; D U E R K S E N . F & GONÇALVES.A. Report and Evaluation of Brazilian Experience in the Rehabilitation of Patients with Leprosy. Leprosy Review 60, (3): 214-220, 1989.
10- ALMEIDA,J. Projection of Demand for Leprosy S e r v i c e s in I n d i a a f t e r WHO-MDT . Int.J.Lepr.61(4). Abstracts of Congress Papers. 14th International Congress ofLeprosy, 1993.
11- BRASIL- MINISTÉRIO DA SAÚDE. Relatório da Reunião do Comitê Técnico Assessor da Coordenação Nacional de Dermatologia Sanitária. Brasilia, 1994.
12- ORGANISATION MODIALE DE LA SANTÉ. Guide de La Lutte Antilépreuse. Deuxième édition. Genève, 1989.
13- BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE - Guia de Controle da Hanseníase. Brasília, 1994.
14- MYANMAR. MINISTERY OF HEALTH. In: JAMISON,D.T; editor, Disease Control Priorities in Developing Countries. Oxford Medical Publications, 1993.
15- ENNA,C. The Deformities of Leprosy. In: McDowell,F and Enna,C. Surgical Rehabilitation in Leprosy. The Williams & Wilkins Company, Baltimore, 1974.
16- DUERKSEN,F. The importance of Reconstructive Surgery in the Rehabilitation of the Hansen's Diseased Patient. Transactions of the Seventh International Congress of Plastic and Reconstructive Surgery. ELY.J.F. editor. Rio de Janeiro, 1979.
17- SMITH,W.C.S. Epidemiology of disability in leprosy including risk factors. Lep.Rev.68, suplplement 23s-30s, 1992.
18- SAO PAULO. SECRETARIA DA SAÚDE. Relatório da Endemia Hansênica no Estado de São Paulo. São Paulo,1994.
19- VIRMOND.M & DUERKSEN.F. A Situação atual da cirurgia no tratamento global da hansen fase. Hansenologia Internationalis 13 (2):34-36, 1988.
20 - SOARES,D. Surgical Reconstruction in Leprosy: an ongoing need. ILA Forum 2(4), 1995.
21- FERREIRA,J. MENGUES,S. GAMA,L. MORI,S. MIRANDA,G. CAMPOS,L.C. GUITERREZ, M. Risk FactorsFor Developing Disabilities Before the Diagnosis of Hansen's Disease. Int.J.Lpr.61(4), supplement,.Abstracts of Congress Papers. 14th International Congress of Leprosy, 1993.

Publicado

30-11-1995

Como Citar

1.
Virmond M. A hanseníase como doença de baixa prevalência. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 1995 [citado 17º de junho de 2024];20(2):27-35. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36486

Edição

Seção

Artigos originais