Perfil de conhecimento sobre hanseníase entre pacientes de um hospital universitário

um estudo transversal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2024.v49.37421

Palavras-chave:

Hanseníase, Transmissão de doença infecciosa, Conhecimento, Educação em saúde

Resumo

Introdução: a hanseníase é uma doença causada pelo bacilo Mycobacterium leprae, que afeta a pele e o sistema nervoso periférico, apresentando alta endemicidade no Brasil. As representações sociais negativas sobre ela resultam da construção histórica baseada em crenças e medos. Uma das estratégias preconizadas pelo Ministério da Saúde para reduzir a carga de hanseníase é a educação em saúde, já que um dos obstáculos para a diminuição da incidência da doença é a falta de informação. Objetivo: este estudo tem como objetivo identificar o conhecimento dos pacientes de um ambulatório de dermatologia acerca da hanseníase. Metodologia: trata-se de um estudo observacional e transversal, que se desenvolveu por meio de um questionário com nove questões sobre hanseníase, elaborado pelos autores e aplicados em pacientes do ambulatório de dermatologia de um hospital público em Pernambuco. Resultados: quinhentas pessoas responderam ao questionário, sendo a maioria mulheres e pessoas com mais de 60 anos. Cerca de 92% já haviam ouvido falar sobre lepra/hanseníase, mas menos da metade sabia que se tratava da mesma doença. Além disso, apenas 50,4% tinham alguma informação sobre a doença, sendo a identificação da lesão cutânea a mais conhecida, enquanto a transmissão e o tratamento eram menos conhecidos. Conclusão: percebe-se, portanto, que medidas de educação em saúde visando melhorar o conhecimento acerca da transmissão e do tratamento são de grande importância, principalmente por parte de profissionais de saúde, educação e mídia. Além disso, mais estudos que evidenciem o conhecimento da população sobre a doença precisam ser realizados para que a falta de informação possa ser suprida pelos profissionais e, assim, o combate à hanseníase e ao preconceito associado a ela seja realizado de modo mais efetivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Estratégia Nacional para Enfrentamento da Hanseníase: 2019-2022. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2019. [acesso em 07 mar. 2023]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/estrategia_nacional_enfrentamento_hanseniase_2019.pdf.

2. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2016. [acesso em 15 jun. 2023]. Disponível em: https://portal.saude.pe.gov.br/sites/portal.saude.pe.gov.br/files/diretrizes_para_._eliminacao_hanseniase_-_manual_-3fev16_isbn_nucom_final_2.pdf.

3. Pescarini JM, Strina A, Nery JS, Skalinski LM, Andrade KVF, Penna MLF, et al. Socioeconomic risk markers of leprosy in high-burden countries: a systematic review and meta-analysis. PLoS Negl Trop Dis. 2018 Jul 9;12(7):e0006622. doi: https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0006622.

4. Palmeira IP, Queiroz ABA, Ferreira MA. Marcas em si: vivenciando a dor do (auto) preconceito. Rev Bras Enferm. 2013 Nov;66(6):893-900. doi: https://doi.org/10.1590/S0034-71672013000600013.

5. World Health Organization. Leprosy [Internet]. Geneva: WHO; 2023. [updated 2023 Jan; cited 2023 Apr 12]. Available from: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs101/en/.

6. Ministério da Saúde (BR). Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas da hanseníase (Internet). Brasília: Ministério da Saúde; 2022. [acesso em 12 abr. 2023]. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/h/hanseniase/publicacoes/protocolo-clinico-e-diretrizesterapeuticas-da-hanseniase-2022.

7. Passos ÁLV, Araújo LF. Representações sociais da hanseníase: um estudo psicossocial com moradores de um antigo hospital colônia. Interações (Campo Grande). 2020 Jan;21(1):93-105. doi: https://doi.org/10.20435/inter.v21i1.1944.

8. Cobo B, Cruz C, Dick PC. Desigualdades de gênero e raciais no acesso e uso dos serviços de atenção primária à saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2021;26(9):4021-32. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232021269.05732021.

9. Femina LL, Soler ACP, Nardi SMT, Paschoal VD. Lepra para hanseníase: a visão do portador sobre a mudança de terminologia. Hansen. Int. 2007 Jun;32(1):37-48. doi: https://doi.org/10.47878/hi.2007.v32.35192.

10. Naaz F, Mohanty PS, Bansal AK, Kumar D, Gupta UD. Challenges beyond elimination in leprosy. Int J Mycobacteriol. 2017 Jul-Sep;6(3):222-228. doi: https://doi.org/10.4103/ijmy.ijmy_70_17.

11. Silva PLN. Perfil de conhecimentos sobre hanseníase entre moradores de uma estratégia saúde da família. Hansen Int. 2012:37(2):31-9. doi: https://doi.org/10.47878/hi.2012.v37.36193.

12. Gomes FC, Oliveira TC, Araujo JER, Félix LG, Araújo KMFA. Conhecimento do usuário da atenção primária à saúde acerca da hanseníase. Rev enferm UFPE [Internet]. 2014 [acesso em 12 abr. 2023];8(supl. 2):3669-76. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/10108/10580.

13. Alves DGT. O conhecimento de hanseníase entre estudantes de escolas públicas: conceitos e preconceitos [dissertação]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2020. [acesso em 13 abr. 2023]. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/36566.

14. Belachew WA, Naafs B. Position statement: Leprosy: Diagnosis, treatment and follow-up. J Eur Acad Dermatol Venereol. 2019 Jul;33(7):1205-13. doi: https://doi.org/10.1111/jdv.15569.

Downloads

Publicado

19-04-2024

Como Citar

1.
Morais RXB de, Santos ALBN dos, Medeiros ACR, Teixeira MAG. Perfil de conhecimento sobre hanseníase entre pacientes de um hospital universitário: um estudo transversal. Hansen. Int. [Internet]. 19º de abril de 2024 [citado 17º de junho de 2024];49:1-12. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/37421

Edição

Seção

Artigos originais