Conjuntura epidemiológica da hanseníase em menores de quinze anos, no período de 2003 a 2013, Belém-PA

  • Everson Vando Melo Matos Programa de Pós Graduação em Saúde, Sociedade e Ambiente na Amazônia. Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil.
  • Angela Maria Rodrigues Ferreira Departamento de Enfermagem Comunitária. Universidade do Estado do Pará, Belém, Pará, Brasil.
  • Iaci Proença Palmeira Departamento de Enfermagem Comunitária. Universidade do Estado do Pará, Belém, Pará, Brasil.
  • Daiane Freitas Carneiro Acadêmica de Enfermagem. Universidade do Estado do Pará, Belém, Pará, Brasil.
Palavras-chave: Hanseníase, Epidemiologia, Crianças

Resumo

A hanseníase no Estado do Pará é preocupante por apresentar um coeficiente de detecção em menores de 15 anos com classificação hiperendêmica. Este indicador expressa a força de transmissão recente da doença. Objetivou-se analisar a conjuntura epidemiológica da hanseníase em menores de 15 anos no município de Belém-Pará no período de 2003 a 2013. Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo e retrospectivo de uma série de casos de menores de 15 anos notificados com hanseníase, utilizando-se os dados do Sistema de Informações de Agravos de Notificação (SINAN). Os resultados evidenciam uma média do coeficiente de detecção anual da hanseníase em menores de 15 anos de 34,9 por 100 mil habitantes, classificando a doença como hiperendêmica. O sexo masculino foi majoritário com uma frequência de 55,8% (266). O modo de detecção predominante foi o de encaminhamentos com 54,7% (261). A forma clínica de destaque foi a tuberculóide com 38,6% (184) dos casos. A média dos contatos registrados foi de 4,36 contatos por cada caso notificado, totalizando 2.082. Quanto aos contatos examinados predominou o parâmetro precário com menos de 50%. O Brasil é um país de grandes proporções e muitas peculiaridades geográficas, Belém-Pará não é tão diferente, dificultando o acesso aos serviços de saúde e, consequentemente, o diagnóstico e tratamento da hanseníase em nossa região. Concluiu-se sobre a importância do conhecimento da situação epidemiológica dos menores de 15 anos para viabilização de estratégias que contribuam para o controle dessa endemia regional.

Referências

1 Oliart-Guzman H, Martins AC, Mantovani SAS, Pereira TM, Delfino BM, Castelo Branco FLC, et al. Clinical and epidemiological profile of leprosy cases reported in Assis Brazil, Acre, in the period 2003 to 2010. Hansen Int. [Internet]. 2011 [acesso 2014 nov 19];36(1):39-45. Disponível em: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-51612011000100006&lng=en&nrm=iso.
2 Lobato DC. Avaliação das ações da vigilância de contatos de pacientes com hanseníase no município de Igarapé-Açu – Pará [dissertação]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 2011. [acesso 2014 nov 20]. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=638282&indexSearch=ID
3 Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância em Doenças Transmissíveis. Plano integrado de ações estratégicas de eliminação da hanseníase, filariose, esquistossomose e oncocercose como problema de saúde pública, tracoma como causa de cegueira e controle das geohelmintíases : plano de ação 2011-2015. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.
4 Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 149, de 3 de fevereiro de 2016. Aprova as Diretrizes para Vigilância, Atenção e Controle da Hanseníase. Saude Legis. Brasília, 04 de fevereiro de 2016.
5 Norman G, Joseph GA, Udayasuriyan P, Samuel P, Venugopal M. Leprosy case detection using school children. Lepr Rev [Internet]. 2004 [acesso 2014 nov 20];75(1):34-9. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15072124
6 Pires CAA, Malcher CMSR, Abreu JMC Junior, Albuquerque TG, Correa IRS, Daxbacher ELR. Leprosy in children under 15 years: the importance of early diagnosis. Rev Paul Pediatr [Internet]. 2012 [acesso 2016 jun 26];30(2):292-5. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-05822012000200022&script=sci_arttext.
7 Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Situação Epidemiológica Hanseníase no Brasil - 2011. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.
8 Vieira CSCA, Soares MT, Ribeiro CTSX, Silva LFG. Avaliação e controle de contatos faltosos de doentes com hanseníase. Rev Bras Enferm [Internet]. 2008 [acesso 2014 nov 20];61(esp):682-8. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71672008000700005&script=sci_arttext
9 Costa FM Junior; Maia ACB. Concepções de homens hospitalizados sobre a relação entre gênero e saúde. Psicol [Internet]. 2009 [acesso 2014 nov 19];25(1):55-63. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ptp/v25n1/a07v25n1.pdf
10 Ministério da Saúde (BR). Vigilância em Saúde: situação epidemiológica de hanseníase no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.
11 World Health Organization. Enhanced global strategy to further reduce burden of leprosy: plan period: 2011-2015 [Internet]. Geneva: WHO; 2009 [citado em 2014 Nov 20]. Disponível em: http://www.searo.who.int/entity/global_leprosy_programme/documents/enhanced_global_strategy_2011_2015_operational_guidelines.pdf12 Hinrichsen SL, Pinheiro MRS, Jucá MB, Rolim H, Danda GJN, Danda DMR. Aspectos epidemiológicos da hanseníase na cidade de Recife, PE em 2002. An Bras Dermatol. 2004 Ago;79(4):413-21.
13 Imbiriba EB, Hurtado-Guerrero JC, Garnelo L, Levino A, Cunha MG, Pedrosa V. Epidemiological profile of leprosy in children under 15 in Manaus (Northern Brazil), 1998-2005. Rev Saúde Pública. 2008;42(6):1021-6.
Publicado
2015-11-30
Como Citar
1.
Matos EVM, Ferreira AMR, Palmeira IP, Carneiro DF. Conjuntura epidemiológica da hanseníase em menores de quinze anos, no período de 2003 a 2013, Belém-PA. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2015 [citado 19º de maio de 2022];40(2):17-3. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/index.php/hansenologia/article/view/36170
Seção
Artigos originais