A importância da busca ativa como estratégia de controle da hanseníase em territórios endêmicos

Autores

  • Rosemary Soares Ker e Lima Mestranda/Universidade Vale do Rio Doce-UNIVALE. Programa Gestão Integrada de Território.
  • Lorena Bruna Pereira de Oliveira Doutoranda/UFJF/GV. Programa Multicêntrico de Bioquímica e Biologia Molecular.
  • Rafael Silva Gama Doutor/UFJF. Programa de Ciências Biológicas e Biotecnologia. Professor Univale.
  • José Antônio Guimarães Ferreira Pós-Doctor/FASEH-Faculdade de Saúde e Ecologia Humana.
  • Maria Aparecida de Faria Grossi Doutorado/SES/MG
  • Jessica K. Fairley Doutora/Emory University/Atlanta/USA
  • Fernanda Gomes da Silva Doutorado- UFJF-Campus Gov. Valadares - (ORCID: 0000-0002-9238-2960).
  • Lucia Alves de Oliveira Fraga 8 Pós-Doutorado/UFJF-Campus GV. Programa Multicêntrico de Bioquímica e Biologia Molecular. - (Professor adjunto) - (ORCID: 0000-0002-9238-2960).

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2016.v41.34981

Palavras-chave:

Hanseníase, Busca de Comunicante, Epidemiologia

Resumo

De acordo com a literatura, contatos de casos de hanseníase apresentam maior risco de adoecimento e, nesse sentido, é primordial fortalecer e ampliar as ações de busca ativa de casos no âmbito da atenção primária de saúde, potencializando a ampliação do diagnóstico precoce, tratamento oportuno e demais medidas de vigilância, controle e reabilitação necessárias. Neste cenário, objetivou-se realizar a busca ativa de novos casos de hanseníase em um distrito rural do município de Mantena, MG, e caracterizar a situação socioeconômica e epidemiológica da doença na região. Foram realizadas visitas aos residentes do distrito e palestras informativas sobre a doença, sendo os moradores convidados a participar da pesquisa. Um total de 292 indivíduos foi examinado no período de julho de 2016 a fevereiro de 2017. Foram diagnosticados 27 casos novos, 22 dos quais eram multibacilares. Os graus de incapacidade 1 e 2 foram identificados em 74% da amostra. Sobre as variáveis socioeconômicas, a maioria dos casos possui baixa escolaridade e baixa renda familiar, além de todos os casos terem tido contato com a doença em algum momento. A busca ativa foi eficiente para a detecção de casos novos de hanseníase na população estudada e contribuiu para o controle da doença que é endêmica na região. Ademais, a busca ativa foi relevante, especialmente considerando a baixa instrução dos indivíduos e, portanto, menor acesso à informação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 Ministério da Saúde (BR). Eliminar a hanseníase é possível: um guia para os municípios. Brasília: Ministério da Saúde; 2015. [cited 2018 Mar 24]. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/eliminar_hanseniase_possivel_versao_preliminar.pdf.
2 Ministério da Saúde (BR). Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da Hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico--operacional. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. [cited 2018 Mar 22]. Available from: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/DiretrizesdoManuaTcnicoOperacionaldeHansenase.pdf.
3 World Health Organization. Global leprosy update, 2016: accelerating reduction of disease burden. Wkly Epidemiol Rec [Internet]. 2017 [cited 2018 Mar 24];92(35):501-20. Available from: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/258841/WER9235.pdf?sequence=1.
4 Monteiro LD, Mota RMS, Martins-Melo RF, Alencar CH, Heukelbach J. Determinantes sociais da hanseníase em um estado hiperendêmico da região Norte do Brasil. Rev Saúde Pub. 2017;51(70):1-11. doi: 10.1590/s1518-8787.2017051006655
5 Magalhães MCC, Rojas LI. Diferenciação territorial da hanseníase no Brasil. Epidemiol Serv Saúde. 2007 [cited 2018 Mar 24];16(2):75-84. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/rev_epi_vol16_n2.pdf
6 Ministério da Saúde (BR). Guia prático sobre a hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde; 2017. [cited 2018 Mar 24]. Available from: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/novembro/22/Guia-Pratico-de-Hanseniase-WEB.pdf
7 Lastoria JC, Putinatti MSMA. Utilização de busca ativa de hanseníase: relato de uma experiência de abordagem na detecção de casos novos. Hansen Int [Internet]. 2004 [cited 2018 Mar 24];29(1):6-11. Available from: http://hansen.bvs. ilsl.br/textoc/hansenint/v21aov29/2004/PDF/v29n1/v29n1a01.pdf
8 Temoteo RCA, Souza MM, Farias MCAD, Abre LC, Martins E Netto. Hanseníase: avaliação em contatos intradomiciliares. ABCS Health Sci. 2013;38(3):133-141. doi: 10.7322/abcshs.v38i3.18
9 World Health Organization [Internet]. Geneva: WHO; c2018. [cited 2018 Mar 24]. Leprosy Eliminations: classification of leprosy; [about 1 screen]. Available from: http://www.who.int/lep/classification/en/.
10 BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n° 3125, de 7 de outubro de 2010. Aprova as diretrizes para vigilância, atenção e controle da hanseníase. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 15 out. 2010. Seção 1, p. 55. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=55&data=15/10/2010. Acesso em: 24 mar. 2018.
11 Ministério da Saúde (BR). Guia de vigilância epidemiológica. 7a ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. [cited 2018 Mar 24]. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_epidemiologica_7ed.pdf.
12 Ministério da Saúde (BR). Sistema Nacional de Vigilância em Saúde: relatório de situação: Minas Gerais. Brasília: Ministério da Saúde; 2005. [cited2018 Mar 24]. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/mg_seg.pdf.
13 World Health Organization. Global Strategy for further reducing the disease burden due to leprosy: plan period: 2011-2015 [Internet]. Geneva: WHO; 2010. [cited 2018 Mar 24]. Available from: http://www.searo.who.int/entity/global_leprosy_programme/documents/enhanced_global_strategy_2011_2015.pdf
14 Aquino DMC, Santos JS, Costa JML. Avaliação do programa de controle da hanseníase em um município hiperendêmico do Estado do Maranhão, Brasil, 1991-1995. Cad Saúde Pública. 2003 Feb;19(1):119-25. doi: 10.1590/S0102--311X2003000100013.
15 Barreto JG, Frade MAC, Bernardes F Filho, Silva MB, Spencer JS, Salgado CG. Leprosy in Children. Curr Infect Dis Rep. 2017;19-23. doi: 10.1007/s11908-017-0577-6
16 Miranzi SSC, Pereira LHM, Nunes AA. Perfil epidemiológico da hanseníase em um município brasileiro no período de 2000 a 2006. Rev Soc Bras Med Trop [Internet]. 2010 [cited 2018 Mar 24];43:62-67. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v44n1/18.pdf
17 Corrêa RGCF, Aquino DMC, Caldas AJM, Amaral DKCR, França FS, Mesquita ERRBPL. Epidemiological, clinical, and operational aspects of leprosy patients assisted at a referral service in the state of Maranhão, Brazil. Rev Soc Bras Med Trop. 2012 Feb;45(1):89-94. doi: 10.1590/S0037-86822012000100017.
18 Silva AR, Matos WB, Silva CCB, Gonçalves EGR. Hanseníase no Município de Buriticupu, Estado do Maranhão: busca ativa de casos na população adulta. Rev Soc Bras Med Trop. 2010 Dec;43(6):691-4. doi: 10.1590/S0037-86822010000600018.
19 Costa LA, Borba-Pinheiro CJ, Reis JH, Reis SH Júnior. Análise epidemiológica da hanseníase na Microrregião de Tucuruí, Amazônia brasileira, com alto percentual de incapacidade física e de casos entre jovens. Rev Pan-Amaz Saude. 2017 Set;8(3):9-17. doi: 10.5123/s2176-62232017000300002.
20 Batista ES, Campos RX, Queiroz RCG, Siqueira SL, Pereira SM, Pacheco TJ et al. Perfil sócio--demográfico e clínico-epidemiológico dos pacientes diagnosticados com hanseníase em Campos dos Goytacazes, RJ. Rev Bras Clin Med [Internet]. 2011 Mar-Abr [cited 2018 Mar 24];9(2):101-6. Available from: http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2011/v9n2/a1833.pdf
21 Ministério da Saúde (BR). Hanseníase: caracterização da situação epidemiológica da hanseníase e diferenças por sexo, Brasil, 2012-2016. Bol Epidemiol [Internet]. 2018 [cited 2018 Abr 24];49(4):1-10. Available from: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/31/2018-004--Hanseniase-publicacao.pdf
22 Cunha MHCM, Silvestre MPSA, Silva AR, Rosário DDS, Xavier MB. Fatores de risco em contatos intradomiciliares de pacientes com
hanseníase utilizando variáveis clínicas, sociodemográficas e laboratoriais. Rev Pan-Amaz Saude. 2017 Jun;8(2):21-8. doi: 10.5123/s2176-62232017000200003.
23 Lopes VAS, Rangel EM. Hanseníase e vulnerabilidade social: uma análise do perfil socioeconômico de usuários em tratamento irregular. Saúde debate [Internet]. 2014 [cited 2018Mar 24];103(38):817-29. Available from: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v38n103/0103-1104-sdeb-38-103-0817.pdf

Downloads

Publicado

30-11-2016

Como Citar

1.
Lima RSK e, Oliveira LBP de, Gama RS, Ferreira JAG, Grossi MA de F, Fairley JK, Silva FG da, Fraga LA de O. A importância da busca ativa como estratégia de controle da hanseníase em territórios endêmicos. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2016 [citado 23º de julho de 2024];41(1/2):55-63. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/34981

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)