Avaliação do estado nutricional e do consumo alimentar de pacientes com hanseníase do Ambulatório de Dermatologia Sanitária

Autores

  • Kelly Regina Bruschi Nutricionista, Especialista em Saúde Coletiva com ênfase em Dermatologia Sanitária.
  • Maria da Graça Alves Labrêa Nutricionista, Especialista em Saúde Pública; Nutricionista e Preceptora da Residência Multiprofissional do Ambulatório de Dermatologia Sanitária.
  • Letícia Maria Eidt Médica Dermatologista, Mestre em Educação pela PUCRS; Dermatologista e Coordenadora da Residência Médica do Ambulatório de Dermatologia Sanitária.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2011.v36.36211

Palavras-chave:

hanseníase, estado nutricional, consumo de alimentos

Resumo

A Hanseníase é uma doença sistêmica, infectocontagiosa, de evolução crônica. Seu tratamento é realizado
por meio de poliquimioterapia que pode desencadear algumas alterações nutricionais. Sendo assim, este trabalho teve como objetivo avaliar o estado nutricional e o consumo alimentar de pacientes com Hanseníase em acompanhamento no Ambulatório de Dermatologia Sanitária. Estudo de delineamento transversal, no qual realizou avaliação antropométrica, laboratorial e dietética. A amostra final foi de 39 pacientes, de ambos os sexos, com concentração de indivíduos na faixa etária entre os 40-50 anos, predomínio do ensino fundamental incompleto e baixa renda familiar. A população se caracterizou pelo sedentarismo, sobrepeso, ocorrência de doenças crônicas não transmissíveis, insegurança alimentar e nutricional, consumo muito elevado de gorduras e inadequação de micronutrientes essenciais para a prevenção de doenças. Os resultados mostraram a necessidade da inserção do nutricionista na equipe
multiprofissional, a fim de promover alimentação adequada e a prevenção de comorbidades, garantindo a
promoção à saúde e a segurança alimentar. No entanto, não foi possível associar esses distúrbios nutricionais ao diagnóstico/tratamento da Hanseníase, uma vez que a avaliação foi realizada apenas após o início do tratamento da doença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 Brasil. Vigilância em Saúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase, Malária, Tracoma e Tuberculose. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica, n. 21). 2. ed. Brasília, Ministério da Saúde: 2008: 200 p.
2 Brasil. Guia para o Controle da Hanseníase. Brasília: Departamento de Atenção Básica. Ministério da Saúde: 2002: 89 p.
3 Eidt, LM. Breve história da Hanseníase: sua expansão do mundo para as Américas, o Brasil e o Rio Grande do Sul e sua trajetória na saúde pública brasileira. Saúde e Sociedade 2004: 13(2): 76-88.
4 Eidt, LM, . Ser hanseniano: sentimentos e vivências. Hansen. Int. 2004: 29(1): 21-27.
5 Araújo MG. Hanseníase no Brasil. Rev. da Soc. Brasileira Med. Tropical 2003: 36(3): 373-382.
6 Brasil. Ministério da Saúde. Uma análise da mortalidade no Brasil e regiões. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/visualizar_texto.cfm?idtxt=244. Acessado em agosto de 2010.
7 Brasil. Plano Nacional de Eliminação da Hanseníase em nível municipal 2006-2010. Brasília, Ministério da Saúde: 2006: 31 p.
8 Brasil. Manual de Prevenção de Incapacidades – (Série A. Normas e Manuais Técnicos). (Cadernos de prevenção e reabilitação em Hanseníase; n. 1). 3. ed. Brasília, Ministério da Saúde: 2008: 140 p.
9 República Federativa do Brasil. Portaria nº 125/SVS-SAS, de 26 de março de 2009. Define as ações de controle da Hanseníase. Diário Oficial da União, Seção um (01), Brasília, DF: 2009: 30 p.
10 Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes. Métodos e critérios para o diagnóstico de . 3 ed. Itapevi, SP: 2009: 400 p.
11 Sociedade Brasileira de Cardiologia. IV Diretriz Brasileira Sobre Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arquivos Brasileiros de Cardiologia 2007: 88(SuplementoI): 1-22.
12 Lee RD, Nieman DC. Nutritional assessment. 2. Ed. St. Louis: Mosby, 1995.
13 World Health Organization. Physical Status: the use and interpretation of anthropometry. Genebra, 1995.
14 Lipschitz DA. Screening for nutritional status in the elderly. Primary Care 1994: 21(1): p.55-67.
15 Fisberg, RM; Slater, B; Marchioni, DML; Martini, LA. Inquéritos alimentares: métodos e bases científicos. Ed. Manole. São Paulo: 2005: 334 p.
16 Vitolo MR, Gama CM. Pesos e volumes de medidas caseiras e alimentos. 1. Ed. São Leopoldo: Diretório Acadêmico do Curso de Nutrição da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2003.
17 Philippi ST. Tabela de Composição de Alimentos: suporte para decisão nutricional. 2 ed. São Paulo: Coronário, 2002: 135p.
18 NEPA - Núcleo de estudos e pesquisas em alimentação. Tabela Brasileira de composição dos alimentos. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), 4 ed. Campinas, SP 2011: 164p.
19 Monsen ER. The 10th edition of the Recommended Dietary Allowances: what’s new in the 1989 RDAs? J Am Diet Assoc 1989;89:1748-52.
20 Franceschini SCC, Priore SE, Euclydes MP. Necessidades e Recomendações de Nutrientes. In: Cuppari L, editora. Guia de Medicina Ambulatorial e Clínica: Nutrição Clínica no Adulto. São Paulo: Manole; 2005. p. 3-32.
21 Statistical Package for the Social Sciences para Windows [programa de computador]. Versão 16.0. Chicago; 2007.
22 Soares CGM. Hanseníase no Estado do Pará: perfil epidemiológico da população que demanda internação por reações hansênicas [Dissertação de Mestrado]. São Paulo: Escola Nacional de Saúde Pública: 2001.
23 Aquinol DMC, Caldas AJM, Silva AAM, Costa JML. Perfil dos pacientes com Hanseníase em área hiperendêmica da Amazônia do Maranhão, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2003: 36(1): 57-64.
24 Garcia, ICO. Avaliação Nutricional e Caracterização Sócio-Demográfica de Portadores de Hanseníase - SP [Dissertação de Mestrado]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo: 2006.
25 Araújo RRDF. Educação conscientizadora na prática do enfermeiro em Hanseníase [Tese de Doutorado]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública: 2005.
26 Mencaroni DA. Análise espacial da endemia hansênica no município de Fernandópolis – SP [Tese de Doutorado]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo: 2003.
27 World Health Organization. Weekly epidemiological record. Nº 35, 337-348, August, 2010.
28 Opromolla PA, Dalbeni CM. Análise da distribuição espacial da Hanseníase no estado de São Paulo. Rev. Brasileira de Epidemiologia 2005: 8(4): 356-64.
29 Oh Sy . Dietary habits, food intake and functional outcomes in those with a history of Hansen’s disease in Korea. International Journal of Leprosy and Other Mycobacterial Diseases. 1998; 66(1): 34-42.
30 World Health Organization. Estratégia Global para a Promoção da Alimentação Saudável, Atividade Física e Saúde. Genebra, 2004.
31 Brasil, Minisério da Saúde. Guia Alimentar para a População Brasileira: Promovendo a Alimentação Saudável. (Série A – Normas e Materiais Técnicos). Brasília, DF: 2005: 238 p.
32 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008 – 2009. Antropometria e Estado Nutricional de Crianças, Adolescentes e Adultos no Brasil. Ministério do Planejamento, orçamento e gestão. Brasília, 2010.
33 Brasil, Ministério da Saúde. Obesidade. (Série A – Normas e Materiais Técnicos). (Cadernos de Atenção Básica – nº 12). Brasília, DF: 2006: 110 p.
34 American Heart Association. Heart disease and stroke statistics. Update. Dallas, Texas: American Heart Association; 2005.
35 Martinez TLR, . Determinação do nível de colesterol de 81.262 brasileiros. Arquivos Brasileiros de Cardiologia 2003; 80 (6): 631-4.
36 Levy-Costa RB. . Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974-2003). Revista de Saúde Pública 2005: 39(4): 530-40.

Downloads

Publicado

30-11-2011

Como Citar

1.
Bruschi KR, Labrêa M da GA, Eidt LM. Avaliação do estado nutricional e do consumo alimentar de pacientes com hanseníase do Ambulatório de Dermatologia Sanitária. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2011 [citado 16º de julho de 2024];36(2):53-61. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36211

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)