Hanseníase: Comparação Entre a Classificação Operacional no Sistema de Informação de Agravos de Notificação e o Resultado da Baciloscopia

Autores

  • Heloisa da Silveira Paro Pedro Mestre, Instituto Adolfo Lutz– Laboratório Regional de São José do Rio Preto.
  • Susilene Maria Tonelli Nardi Mestre, Instituto Adolfo Lutz– Laboratório Regional de São José do Rio Preto/Instituto Lauro de Souza Lima- Bauru-SP.
  • Maria Izabel Pereira Ferreira Especialista em Saúde Pública, Instituto Adolfo Lutz– Laboratório Regional de São José do Rio Preto.
  • Maria do Rosário Assad Goloni Especialista em Saúde Pública, Instituto Adolfo Lutz– Laboratório Regional de São José do Rio Preto.
  • Erina Aparecida Rissate Ferreira Centro de Investigação de Microrganismos da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto.
  • Antonio Ruffino Netto Antonio Ruffino Netto, doutor, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (USP).

Palavras-chave:

hanseníase, Mycobacterium leprae, Prevenção & Controle, Notificação de Doenças, Sistemas de Informação

Resumo

O estudo objetivou comparar a classificação operacional paucibacilar e multibacilar, descrita no Sistema de Informação de Agravos de Notificação-SINAN, com o resultado da baciloscopia (positivo/negativo) obtido pelo serviço de referência regional, Instituto Adolfo Lutz de São José do Rio Preto-SP. Trata-se de estudo descritivo e retrospectivo que utilizou como fonte de coleta, o livro de registros do Instituto Adolfo Lutz e a base de dados do SINAN dos casos notificados nos 32 municípios da microrregião de São José do Rio Preto, no período de 02/01/2004 a 31/12/2005. De 231 casos notificados, 1,7% (n=4) eram conhecidos apenas pelo Instituto Adolfo Lutz; 42% (n=97) apenas pelo SINAN e 56,3% (n=130) pelas duas fontes de informação. Destes, 19,2% (25/130) tinham baciloscopia positiva, sendo 0,8% (1/130) paucibacilar; 78,3% (105/130) tinham baciloscopia negativa, sendo 43,3% (58/130) multibacilar. Os casos conhecidos apenas pelo Instituto Adolfo Lutz (n=4) tinham baciloscopia positiva. Dos 42% (n=97) conhecidos apenas pelo SINAN, 54,2% foram classificados como multibacilar. Encontrou-se as seguintes discordâncias: um (0,8%) caso com baciloscopia positiva e classificado como paucibacilar; quatro casos (1,7%) com baciloscopia positiva que não foram notificados no SINAN e 42% (n=97) não realizaram baciloscopia no Instituto Adolfo Lutz. Conclui-se que o laboratório deveria estar integrado com a operacionalização das ações do programa de controle da hanseníase, em especial para que o exame de baciloscopia colabore efetivamente com o diagnóstico clínico primando assim para a consolidação de uma rede de assistência mais completa.

Referências

1 World Health Organization. Global leprosy situation, begin1 ning of 2008. Wkly Epidemiol Rec 2008; 83: 293-300.
2 Ministério da Saúde (BR). Plano Nacional de eliminação da 2 hanseníase em nível municipal 2006-2010 [monografia na Internet]. [citado 2009 Set 26]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/hanseniase_plano.pdf
3 Organização Mundial da Saúde. Estratégia global para aliviar 3 a carga da hanseníase e manter as atividades de controle da hanseníase (Período de plano 2006-2010) [Monografia na Internet] 2005 [citado 2007 Ago 18]. Disponível em: http://www.who.int/lep/Reports/GlobalStrategy-PDF-verison.pdf
4 Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigi4 lância Epidemiológica. Sistema de informação de agravos de notificação Sinan: normas e rotinas. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2006.
5 Nardi SMT, Marciano LHSC, Virmond MCL, Baccarelli R. Siste5 mas de informação e deficiências físicas na hanseníase. Bol Epidemiol Paul 2006; 3: 3-7.
6 Secretaria de Estado da Saúde. Coordenadoria de Controle 6 de Doenças. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof “Alexandre Vranjac”. 1ª Reunião técnica de monitoramento e avaliação [Monografia na Internet] 2004 [citado Ago 18]. Disponível em: http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/hans/aulas/Curso_EpidemAvalsaude.ppt#1
7 Ministério da Saúde (BR). DATASUS. Sistema e aplicativos. Epi7 demiologia SIAB. SINAN [Monografia na Internet] 2008 [citado 2008 Maio 04]. Disponível em: http://www.saude.gov.br
8 Ministério da Saúde (BR). Hanseníase [Monografia na inter8 net] [citado 26 Set 2009] Disponível em:http://portal.saude.gov.br/portal/saude/visualizar_texto.cfm?idtxt=27640
9 Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. 9 Departamento de Atenção Básica.Vigilância em saúde: dengue, esquistossomose, hanseníase, malária, tracoma e tuberculose. 2ª ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2008.
10 Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. 10 Portaria Conjunta Nº 125, de 26 de março de 2009. Define ações de controle da hanseníase. Diário Oficial. Brasília (DF). N.º 59, Seção 1 (Mar. 27, 2009).
11 Andrade PA. (Des) mancha Sergipe: uma estratégia de 11 eliminação da hanseníase a nivel municipal [Monografía na Internet] [citado 2009 Set 27]. Disponível em: http://www.saudebrasilnet.com.br/premios/saude/premio4/trabalhos/047.pdf
12 Nogueira W. Hanseníase: o controle de uma endemia secular 12 em São Paulo. Prat Hosp 2005; 7: 34-40.
13 Andrade VLG, Boechat AM, Viana FR, Avelleira JCR. Estudo 13 do índice baciloscópico em pacientes de hanseníase multibacilares durante tratamento com esquema MDT/OMS e no período de dois anos após interrupção da terapêutica. An Bras Dermatol 1993; 68: 191-3.
14 Dasananjali K, Schreuder PA, Pirayavaraporn C. A study on 14 effectiveness and safety of the W H O / M D T regimen in the north-east of Thailand; a prospective study.1984-1996. Int J Lepr Other Mycobact Dis 1997; 65: 28-36.
15 Crippa ILF, Schettini AP, Pennini SN, Schettini MC, Rebello 15 PFB. Correlação clínico-laboratorial baseada em dados secundários dos casos de hanseníase atendidos no período de 01/2000 a 03/2001 na Fundação Alfredo da Matta, Manaus-AM, Brasil. An Bras Dermatol 2004; 79: 547-54.
16 Baptista IMFD, Sartori BCS, Trino LM. Guia de conduta para 16 realização do exame baciloscópico. Hansen Int 2006; 31: 39-41.
17 Ridley DS, Hilson GR. A logarithmic index of bacilli in biopsies. 17 I. Method. Int J Lepr Other Mycobact Dis 1967; 35: 184-6.
18 Oliveira SN, Hennemann GV, Ferreira FLF, Azevedo AS, Forster 18 AC. Avaliação epidemiológica da hanseníase e dos serviços responsáveis por seu atendimento em Ribeirão Preto no ano de 1992. Medicina (Ribeirão Preto) 1996; 29: 114-22.
19 Monteiro MPA. Incapacidades físicas em pacientes com 19 hanseníase acompanhados pelas equipes de saúde da família das zonas urbanas de Sobral, Ceará [monografia]. Ceará: Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia; 2004.
20 Pedro HSP, Nardi SMT, Ferreira MIP, Goloni MRA, Pupin AC, 20 Paschoal, VDA. “Estudo da endemia da hanseníase”. In: MEDTROP. 45º Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical; 2009 Mar 8-12; Recife: MEDTROP; 2009.
21 Paschoal VDA, Nardi SMT, Cury MRCO, Lombardi C, Virmond 21 MCL, Silva RMDN. Criação de banco de dados para sustentação da pós-eliminação em hanseníase [serial online] 2008 [citado 2009 Jan 24];[8 telas]. Disponível em: http://www.abrasco.org.br/cienciaesaudecoletiva/artigos/artigo_int.php?id_artigo=3036
22 Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de atenção básica. Guia para controle da hanseníase. Cadernos de Atenção Básica n°10. Brasília (DF); 2002.
23 Lastória JC, Putinatti MSMA, Diório SM, Trino LM, Padovani 23 CR. Índices baciloscópicos e morfológico na hanseníase após doze doses do esquema poliquimioterápico (PQT/OMS). Hansen Int 2006; 31(1): 15-21.

Downloads

Publicado

30-11-2009

Como Citar

1.
Pedro H da SP, Nardi SMT, Ferreira MIP, Goloni M do RA, Ferreira EAR, Netto AR. Hanseníase: Comparação Entre a Classificação Operacional no Sistema de Informação de Agravos de Notificação e o Resultado da Baciloscopia. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2009 [citado 7º de dezembro de 2022];34(2):13-9. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36229

Edição

Seção

Artigos de investigação científica

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>