Vigilância epidemiológica das incapacidades oculares em hanseníase

Autores

  • Norma H. Medina Médica Oftalmologista, Doutora em Medicina, Diretora do Serviço de Oftalmologia Sanitária. Centro de Vigilância Epidemiológica "Prof. Alexandre Vranjac", São Paulo, SP.
  • Mitie Tada L. R. F. Brasil Médica, Mestre em Dermatologia, Médica Sanitarista da Divisão de Vigilância Epidemiológica da Hanseníase. Centro de Vigilância Epidemiológica "Prof. Alexandre Vranjac".
  • Mary Lise C. Marzliak Médica Sanitarista , Divisão de Vigilância Epidemiológica da Hanseníase. Centro de Vigilância Epidemiológica "Prof. Alexandre Vranjac".
  • Tanya E. Lafrattá Enfermeira, Divisão de Vigilância Epidemiológica da Hanseníase, Centro de Vigilância Epidemiológica 'Prof. Alexandre Vranjac".
  • Hannelore Vieth Enfermeira, Especialista em Administração dos Serviços de Saúde Pública e Administração Hospitalar, Associação Alemã de Ajuda aos Hansenianos (DAHV). Rua dos Bicudos, São Luiz Maranhão.

Palavras-chave:

hanseníase, manifestações oculares, epidemiologia

Resumo

Após avaliação dos dados de incapacidades oculares disponíveis nas fichas epidemiológicas de hanseníase do ano de 1989, no Estado de São Paulo, constatou-se a necessidade de mudanças de critérios do grau de incapacidade ocular, para aumentar a sensibilidade. Desde 1990, o Programa de Controle da Hanseníase em conjunto com o Serviço de Oftalmologia Sanitária da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo intensificou os treinamentos na detecção, prevenção e tratamento das incapacidades oculares. Um grupo de técnicos foi designado para modif icar a padronização dos procedimentos e os critérios para a classificação do grau de incapacidade, de acordo com as orientações da Organização Mundial da Saúde. Com o objetivo de avaliar as modificações da padronização dos critériosforam analisadas as fichas de notificação  pidemiológica dos anos de 1989, 1993 e 1996. No ano de 1989, foram detectados 3210 casos de hanseníase, dos quaffs 72 (2,2%) apresentaram incapacidades oculares. Em 1993, 2927 casos de hanseníase foram notificados, sendo que 130 (5,3%) tinham incapacidades oculares. Em 1996, dos
2915 casos detectados, 164 (6,9%) apresentaram algum grau de incapacidade ocular Os casos multibacilares mostraram uma proporção major de incapacidades oculares do que os paucibacilares (p < 0,05). As modifica95es adotadas para o diagnóstico das alterações oculares e os treinamentos realizados contribuíram para um aumento significativo da notificação do número de casos com alterações oculares, principalmente grau I (hipoestesia corneana) e grau II (lagoftalmo, triqufase e opacidade corneana). Este aumento n5o indica piora da endemia ou mesmo diagnóstico mais tardio, e sim melhora operacional.

Referências

1 Brand MB. Care of the eye in Hansen's disease. Zed. Carvllle: The Start; 1987.
2 Courtright P, iohnson Gl. Prevention of blindness in leprosy. London: International Center for Eye Health; 1988.
3 World Heal th Organization. A guideto leprosy control. Genebra; 1989.
4 Ministério da Saúde (BR). Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária. Gula para controle de hanseniase. Brasilia; 1984.
5 Organização Mundial da Saúde. Prevenclón de la ceguera: Informe de un grupo de estudo de la OMS. Genebra; 1973. (Série de Informes Técnicos, 518).
6 Organização Mundial ria Saúde. WHO Expert Committee on Leprosy. Genebra; 1988. (Série de Informes Técnicos, 768).
7 Organização Mundial de Saúde. WHO Expert Committee on Leprosy. Genebra; 1970. (Série de Informes Técnicos, 459).
8 Ministério da Saúde (BR). Fundação Nacional de Saúde. Guia de controle da hanseniase. Brasilia; 1994.
9 Neto HLO, Si lva JLM, Manso PG, Botene IN, Sartori MBF. Envolvimento ocular na hansenfase. Estudo em pacientes de ambulatório. Arq bras oftalmol 1996; 59:162-70.
10 Oréflce F. Estudo ria histologia e ria clínica em hansenianos em hospital de dermatologia sanitária (tese . Belo Horizonte: Universidade Federal rle Minas Gerais. Faculdade de Medicina; 1988.
11 Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Política de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de condutas para complicações oculares. Brasilia; 2002.

Downloads

Publicado

30-11-2004

Como Citar

1.
Medina NH, Brasil MTLRF, Marzliak MLC, Lafrattá TE, Vieth H. Vigilância epidemiológica das incapacidades oculares em hanseníase. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2004 [citado 3º de dezembro de 2022];29(2):101-5. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36378

Edição

Seção

Artigos de investigação científica

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)