Granulomatose dewegener e hanseníase: apenas uma associação fortuita?

Autores

  • Raul Negrão Fleury Chefe da Equipe Técnica de Clínica e Terapêutica do Instituto "Lauro de Souza Lima" - Bauru/SP
  • Paulo Rogério O. Taborda Médico Dermatologista do Instituto "Lauro de Souza Lima"
  • Diltor Vladimir Araújo Opromolla Diretor da Divisão de Pesquisa e Ensino do Instituto "Lauro de Souza Lima" - Bauru/SP

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.1996.v21.36477

Palavras-chave:

granulomatose de Wegener, complicação, hanseníase

Resumo

Os autores descrevem a história de um paciente portador de hanseníase virchoviana com mais de 28 anos de duração. Ele havia feito tratamento com sulfona e recebeu alta com a baciloscopia negativa. Continuou o tratamento, mas de maneira irregular, e foi reintemado 10 anos depois com lesões cutâneas ativas, e a presença de bacilos (++) em parte típicos, nos esfregaços cutâneos. Com a suspeita de sulfono-resistência fez tratamento com clofazimina (CFZ) durante 12 meses, com regressão parcial das lesões cutâneas. Apesar de reiniciar a sulfona após esse período as lesões continuaram com aspecto regressivo, a baciloscopia apenas com bacilos granulosos, e passou a apresentar episódios eventuais de reação tipo eritema nodoso hansênico. Quatro anos antes do óbito começou amanifestar sinais de insuficiência renal crônica, que foi relacionada clinicamente à amiloidose sistêmica secundária à hanseníase. A autópsia demonstrou (1) intensa impregnação de CFZ nas mucosas da vias aéreas superiores, gástrica e intestinal, e nos linfonodos, (2) infiltrados virchovianos regressivos em múltiplas localizações com bacilos granulosos e em alguns órgãos como linfonodos, fígado e baço granulomas dimoríos com baciloscopia também positiva. 3) depósito de substância amiloide em
vários órgãos mas principalmente ao nível dos rins: 4) uma lesão nodular necrotizante próxima ao brônquio principal do pulmão direito, evidenciando reação granulomatosa em paliçada e vasculites granulomatosas, interpretadas como manifestação pulmonar localizada de granulomatose de Wegener (GW). Tudo levou a crer que o paciente fosse portador de uma hanseníase dimoría avançada com entorna nodoso, à qual se associou, fortuitamente ou não, a GW, seja na fase inicial ou como forma limitada, assintomática. Segundo a bibliografia consultada, a associação de duas doenças por imunocomplexos de como são a GW e a hanseníase com eritema nodoso ainda não foi previamente  documentada. Admite-se que GW possa relacionar-se a alguma bactéria, ainda indeterminada, que expõe proteases neutrofílicas, gerando anticorpos neutrofílicos anticitoplasmáticos (ANCAS). Segundo os autores a hanseníase talvez pudesse neste caso, constituir a doença bacteriana subjacente. Eles comentam também que o achado destes anticorpos na hanseníase pode sugerir a procura de manifestações da GW entre outros casos desta moléstia, que pode sugerir uma real associação entre estas duas intrigantes entidades clinicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. AGUAS, J.T. Lepra visceral y endocrine. Rev. Leprologia-Fontilles, 20(5):1101-14,1996.
2 . ANDRASSY, K. Rapidl y progres s ive glomerulonephritis and Wegener's granulomatosis. Nephrologie, 13(6) 279-81, 1992.
3. BRASIL, M.T.L.R.F.; OPROMOLLA, D.V.A. at al. Results of a surveillance system for adverse effects in leprosy's WHO/MDT. Int.J.Leprosy, 64(2):97-104,1996.
4. CHYU, J.Y.H.; HAGSTROM, W.J. et al. Wegener's granulomatosis in Childhood. J. Am. Acad. Dermatol., 10: 341-6. 1984.
5. FAUCI, A.S. et al. Wegener's granulomatosis: prospective clinical and therapeutic experience with 85 patients for 21 years. Ann. Intern. Med., 98: 76-85, 1983.
6. FLEURY, R.N.; TONELLO, C.S. et al. Hanseníase dimorfa com surtos de reação hansênica e lesões viscerais. Hansenol. Int., 4:116-25,1979.
7. FLEURY, R.N. in: Silva, I.M. Dermatologia, Rio de Janeiro-São Paulo: Atheneu, p. 89-100, 1983.
8. FRANCES, C. et al. Wegener's granulomatosis: dermatological manifestations in 75 cases with clinicopathologic correlation. Arch. Dermatol.,130(7): 861-67, 1994.
9. FURUTA, M. et al. Leprosy and malignancy: autopsy findings of 252 leprosy patients.Int. J. Dermatol., 58(4):697-703,1990
10. GUTIERRES-RAV, V.M.; AYERZA, M.A. Hilar and mediastinal lymphadenopathy in the limeted form of Wegener's granulomatosis.Thorax, 46(3):219-20,1991.
11. HAMMAR, S.P. Granulomatous vasculitis. Semin. Respir. Infect., 10 (2): 107-20,1995.
12. HOWELL, S.B.; EPSTEIN, W.V. Circulating immunoglobulin complexes in Wegener's granulomatosis. Am. J. Med, 60:259-68, 1976.
13. JENNETTE, C.J. et al. Vasculitis affecting the skin: a review. Arch.Dermatol.,130:899-906, 1994.
14. KAVANAGH, G.M. et al. Eritema elevatum diutinum associated with Wegener's granulomatosis and IgA paraproteinemia. J.Am. Acad. Dermatol.,
28 (5 pt 2): 846-9, 1993.
15. KRAFCIK, S.S. at al. Wegener's granulomatosis in the elderly. Chest, 109 (2): 430-7, 1996.
16. LEAVIT, R.Y.; FAUCI, A.S. at al. The American College of Rheumatology 1990 criteria for the classification of Wegener's granulomatosis. Arthritis Rheum., 33: 1101-7, 1990.
17. LOCKWOOD, D.N.J. The management of erythema nodosum leprosum: current and future options. Lepr. Rev., 67: 253-9, 1996.
18. MANGOLD, M.C.; CALLEN, J.P. Cutaneous leukocytoclastic vasculite associated with active Wegener's granulomatosis. J. Am. Acad. Dermatol., 26 (4): 579-84, 1992.
19. NAAFS, B.Treatment of Reactions and Nerve Damage.Int.J.Leprosy, 64(4): S21-28, 1996.
20. OPROMOLLA, D.V.A.; FLEURY, R.N.; TABORDA, P.R.O. Caso de Hansen íase virchoviana subpolar tratado com a PQT/OMS. Hansenol. Int., 21(1-2): 67-74, 1996.
21. RIDLEY, D.S.; JOPLING W.H. Classification of leprosy acording to immunity. Afive-group system. Int.J.Leprosy, 34(3):255-73,1966.
22. ROOK, A. at al. eds.Textbook of Dermatology. 5th ed. Oxford: Blackwell, 1988.
23. ROTTERN, M.; FAUCI, A.S. et al. Wegener granulomatosis in children and adolescent: clinical presentation and outcome. J. Pediatr., 122(1): 26-31,1993.
24. SARNO, E.N.; SAMPAIO, E.P. The role of inflammatory cytokines in the tissue injury of leprosy. Int. J. Leprosy, 64(4): S69-S74, 1996.
25. SOUKIASIAN, S.H. at al. Trimethoprimsulfamethoxazole for escleritis associated with limited Wegener's granulomatosis: use of histopathology and anti-neutriphil cytoplasmic antibody (ANCA) test. Cornea 12(2): 174-80, 1993.
26. VASQUEZ, F.A., VARELA, N.N. et al. Enfermidad de Hansen en el Mercosur. Acta Leprologica, 10(2): 79-84, 1996.
27. WARNDORFF, D. Clofazimine-resistant leprosy.A case report. Int. J. Leprosy, 50:139-42,1982.
29. WEGENER, F. Uber generalisierte septishe gefasserkrankungen.Verh. Dtsch. Ges. Pathol., 29:202-210, 1936.
29. WEISS, M.A.; CRISSMAN, J.D. Renal biopsy findings in Wegener's granulomatosis: segmental necrotizing glomerulonephritis with glomerular thrombosis. Human Pathol., 15:

Downloads

Publicado

30-11-1996

Como Citar

1.
Fleury RN, Taborda PRO, Opromolla DVA. Granulomatose dewegener e hanseníase: apenas uma associação fortuita?. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 1996 [citado 25º de julho de 2024];21(2):43-5. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36477

Edição

Seção

Seção anátomo-clínica

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 8 > >>