Estigma da hanseníase por agentes comunitários de saúde

fatores associados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2022.v47.37913

Palavras-chave:

Hanseníase, Agentes comunitários de saúde, Estigma social

Resumo

Objetivo: identificar os fatores associados ao estigma da hanseníase, manifestado na orientação quanto à separação de objetos no convívio familiar pelos agentes comunitários de saúde de Palmas, Tocantins, Brasil. Métodos: estudo transversal do tipo quantitativo realizado nas Unidades Básicas de Saúde de Palmas em uma população de 301 agentes comunitários de saúde, por meio de um questionário autoaplicável. Resultados: dos 301 agentes comunitários de saúde, 22,92% orientaram as pessoas no domicílio quanto à separação de objetos de uso pessoal, tais como talheres, copos, pratos, toalhas, roupa de cama, vestimentas e isolamento de dormitório. A orientação para separar objetos de uso pessoal foi significativamente maior para os agentes comunitários de saúde do sexo masculino (RP: 1,89; IC: 1,25-2,87), mais jovens (RP: 1,90; IC: 1,14-3,17), com menor tempo de moradia em Palmas (RP: 2,06; IC: 1,253,40), com localização da Unidade Básica de Saúde fora do plano diretor (RP: 1,75; IC: 1,11-2,76), que não fizeram curso em hanseníase (RP: 3,03; IC: 2,01-4,58), que nunca fizeram acompanhamento de casos (RP: 3,82; IC: 2,02-7,22) e que não teve um familiar acometido por hanseníase (RP: 1,96; IC: 1,10-3,47). Conclusão: a elevada prevalência de agentes comunitários de saúde que apresentam estigma da hanseníase representa uma barreira nas ações de controle da doença. Observou-se que as chances de ocorrência de estigma foram maiores nos agentes comunitários de saúde jovens, do sexo masculino, sem capacitação sobre hanseníase e com local de trabalho nas regiões periféricas do município. Fatores a serem considerados pelo programa de controle local com a adoção de Educação Permanente em Saúde. Investimentos em cursos direcionados à hanseníase podem contribuir para a redução do desconhecimento acerca da doença, pois os aspectos culturais e de crenças geracionais influenciam na manutenção de conceitos e do estigma social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Santos AR, Ignotti EI. Prevenção de incapacidade física por hanseníase no Brasil: análise histórica. Ciênc. Saúde Coletiva. 2020;25(10):3731-44. doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320202510.30262018. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320202510.30262018

Link BG, Phelan JC. Conceptualizing stigma. Annu. Rev. Sociol. 2001;27:363-85. doi: https://doi.org/10.1146/annurev.soc.27.1.363. DOI: https://doi.org/10.1146/annurev.soc.27.1.363

Katz IT, Ryu AE, Onuegbu AG, Psaros C, Weiser SD, Bangsberg DR, et al. Impact of HIV-related stigma on treatment adherence: systematic review and meta-synthesis. J Int AIDS Soc. 2013;16(3 Suppl 2):18640. DOI: https://doi.org/10.7448/IAS.16.3.18640

Nyblade L, Stockton M, Giger K, Bond V, Ekstrand ML, Mc Lean R, et al. Stigma in health facilities: why it matters and how we can change it. BMC Med. 2019;17:25. doi: https://doi.org/10.1186/s12916-019-1256-2. DOI: https://doi.org/10.1186/s12916-019-1256-2

Sermrittirong S, Van Brakel WH. Stigma in leprosy: concepts, causes and determinants. Lepr Rev. 2014 Mar;85(1):36-47. DOI: https://doi.org/10.47276/lr.85.1.36

Alubo O, Patrobas P, Varkevisser CM, Lever P. Gender, leprosy and leprosy control: a case study in Plateau State, Nigeria. Amsterdam: KIT Publishers; 2003. 126 p.

Ministério da Saúde (BR). Hanseníase. Boletim epidemiológico, 2021 [Internet]. Brasília: Editora MS; 2021. [citado 10 dez 2021]. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/boletins/epidemiologicos/especiais/2021/boletim-hanseniase-_-25-01.pdf.

Monteiro LD, Lopes LSO, Santos PR dos, Rodrigues ALM, Bastos WM, Barreto JA. Tendências da hanseníase após implementação de um projeto de intervenção em uma capital da Região Norte do Brasil, 2002-2016. Cad. Saúde Pub. 2018;34(11):e00007818. doi: https://doi.org/10.1590/0102-311X00007818. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00007818

Van Brakel WH. Measuring leprosy stigma: a preliminary review of the leprosy literature. Int J Lepr Other Mycobact Dis. 2003 Sep;71(3):190-7. DOI: https://doi.org/10.1489/1544-581X(2003)71<190:MLSPRO>2.0.CO;2

Maciel LR. Memórias e narrativas da lepra/hanseníase: uma reflexão sobre histórias de vida, experiências do adoecimento e políticas de saúde pública no Brasil do século XX. História Oral [Internet]. 2017;20(1):33-54. [citado 10 dez. 2021]. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/30895.

Oliveira MPR, Menezes IH CF, Sousa LM, Peixoto MRG. Formação e qualificação de profissionais de saúde: fatores associados à qualidade da atenção primária. Rev. Bras. Educ. Méd. 2016;40(4):547-59 doi: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v40n4e02492014. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v40n4e02492014

Morosini VM, Fonseca AF. Os agentes comunitários na Atenção Primária à Saúde no Brasil: inventário de conquistas e desafios. Saúde debate. 2018;42(Spe1):261-74. doi: https://doi.org/10.1590/0103-11042018S117. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s117

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Brasileiro de 2021. Palmas-TO: IBGE; 2022. [citado 19 nov 2022]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/to/palmas/panorama.

Sardana K, Khurana A. Leprosy stigma & the relevance of emergent therapeutic options. Indian J Med Res 2020;151(1):1-5. doi: https://doi.org/10.4103/ijmr.IJMR_2625_19. DOI: https://doi.org/10.4103/ijmr.IJMR_2625_19

Leite TRC, Silva IGB, Lanza FM, Maia ER, Lopes M do SV, Cavalcante EGR. Ações de controle da hanseníase na atenção primária à saúde: uma revisão integrativa. Vitalle: revista de Ciências da Saúde 2020;32(3):175-86 doi: https://doi.org/10.14295/vittalle.v32i3.11080. DOI: https://doi.org/10.14295/vittalle.v32i3.11080

Loures LF, Mármora CHC, Barreto J, Duppre NC. Percepção do estigma e repercussões sociais em indivíduos com hanseníase. Psicolestud [Internet]. 2017 [citado 13 dez 2021];21(4):665-7. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/PsicolEstud/article/view/30037. DOI: https://doi.org/10.4025/psicolestud.v21i4.30037

Schraiber LB, Gomes R, Couto MT. Homens e saúde na pauta da Saúde Coletiva. Ciênc. Saúde Colet. 2005;10(1):7-17. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232005000100002. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232005000100002

Sousa DHAV, Lima MAS, Vieira KFL, Saldanha AAW. Os homens e as práticas de cuidado em saúde. Gênero em Direito [Internet]. 2015 [citado 13 dez 2021];4(1):397-415. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/ged/article/view/22693. DOI: https://doi.org/10.18351/2179-7137/ged.2015n1p397-415

Hashim DS, Al Kubaisy W, Al Dulayme A. Knowledge, attitudes and practices survey among health care workers and tuberculosis patients in Iraq. East Mediterr Health J. 2003 Jul;9(4):718-31. DOI: https://doi.org/10.26719/2003.9.4.718

Santana TB, Azevedo BDS, Maia ACDSA. Fatores associados ao conhecimento de agentes comunitários de saúde em relação à saúde bucal. Cad. Saúde Colet. 2018;26(3):292-7. doi: https://doi.org/10.1590/1414-462x201800030420. DOI: https://doi.org/10.1590/1414-462x201800030420

Alencar OM, Pereira TM, Heukelbach J, Barbosa JC, Cavalcante ASP, Silva MRF. Hanseníase: crenças e tabus de agentes comunitários de saúde. Rev. Bioética. 2021;29(3):606-14. doi: https://doi.org/10.1590/1983-80422021293496. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-80422021293496

Lara MO, Brito MJM, Rezende LC. Aspectos culturais das práticas dos Agentes Comunitários de Saúde em áreas rurais. Rev. Esc. Enferm. USP. 2012;46(3):673-80. doi: https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000300020. DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000300020

Geraldo RM, Oliveira JC, Alexandre LSC, Aguiar MRA, Vieira AFS, Germani ACCG. Preenchimento do quesito raça/cor na identificação dos pacientes: aspectos da implementação em um hospital universitário. Ciênc. Saúde Colet. 2022;27(10):3871-80. doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320222710.08822022. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320222710.08822022

Goes EF, Ramos DO, Ferreira AJF. Desigualdades raciais em saúde e a pandemia da Covid-19. Trab. Educ. Saúde. 2020;18(3):e00278110. doi: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00278. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00278

Oliveira CM, Linhares MSC, Ximenes Neto FRG, Mendes IMVP, Kerr LRFS. Conhecimento e práticas dos Agentes Comunitários de Saúde sobre hanseníase em um município hiperendêmico. Saúde Rev [Internet]. 2018 [citado 6 maio 2022];18(48):39–50. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/sr/article/view/3338/0. DOI: https://doi.org/10.15600/2238-1244/sr.v17n48p39-50

Rocha GSS, Lima MG, Moreira JL, Ribeiro KC, Ceccato M das GB, Carvalho W da S, et al. Conhecimento dos agentes comunitários de saúde sobre a tuberculose, suas medidas de controle e tratamento diretamente observado. Cad. Saúde Pública. 2015 Jul;31(7):1483-96. doi: https://doi.org/10.1590/0102-311X00112414. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00112414

Costa NS, Bellas H, Silva PRF, Carvalho PVR, Uhr D, Vieira C, et al. Insegurança e medo na atenção primária: os agentes comunitários de saúde e a pandemia da covid-19 nas favelas do Brasil. In: Portela MC, Reis LGC, Lima SML, eds. Covid-19: desafios para a organização e repercussões nos sistemas e serviços de saúde. [S. l.]: Fiocruz; 2022. p. 297-308. doi: https://doi.org/10.7476/9786557081587.0020. DOI: https://doi.org/10.7476/9786557081587.0020

Dias ACNS, Almeida RAAS, Coutinho NPS, Corrêa RGCF, Aquino DMC, Nascimento MDSB. Vivência e sentimentos de mulheres portadoras de hanseníase. Rev Enfermagem UFPE [Internet], 2017 [citado em 10 dez. 2021];11(Supl. 9):3551-7 Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/download/234485/27680.

Publicado

25-04-2023

Como Citar

1.
Batista SO, Santos ACM, Ribeiro L de L, Bandeira FLC, Rodrigues ALM, Monteiro LD. Estigma da hanseníase por agentes comunitários de saúde: fatores associados. Hansen. Int. [Internet]. 25º de abril de 2023 [citado 28º de fevereiro de 2024];47:1-17. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/37913

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)